The North Sentinel Island

The most hostile place in the World: Northern Sentinel Island

They settled in the region 60,000 years ago and receive visitors with violence.

It is hard to believe that there are people in the world who know nothing about television, have never seen a car or made-up clothing.

However, there are still tribes that are completely separate from global civilization and do not maintain any contact with the outside world.

Nearly 60,000 years old, North Sentinel Island is a part of the Andaman and Nicobar Islands, which lies in the Indian Ocean, between Myanmar and Indonesia.

There, it is the place where there is one of the most isolated tribes on the planet.

Sentinelians are so hostile to external contact that the island was considered the most difficult place in the world to visit.

Sentinels seem to be direct descendants of the first humans to emerge from Africa.

The number of inhabitants cannot yet be certified, but it is estimated that there are between 40 and 500 natives.

No matter the character of the visitor, when they arrive on the island’s shores, whether on purpose or by accident, islanders receive intruders almost always in the same way: with spears and arrows, in an attack position.

Gifts, such as food and clothing, are of no importance to them.

This hostility reached the point where the natives offered resistance to rescue missions after the tsunami in 2004.

Just as the disastrous tsunami hit the Indian Ocean, a group of rescuers offered help to Sentinels through an Indian navy helicopter.

They wanted to find and help the survivors, although the chances were slim.

They tried to drop packages of food to the ground, but were met with hostility from the natives, including a sentinel warrior who came out of the dense jungle and shot an arrow trying to hit the helicopter.

Not much is known about these tribal people: the language is strange and the habits are unknown.

Their dwellings are hidden in the dense, closed forest, so there is no clue as to how they live.

All that is known is that Sentinels are hunters and gatherers, as they do not cultivate anything, it seems.

They live on fruits, fish, tubers, wild pigs, lizards and honey.

India has sovereignty over the Northern Sentinel, but it is believed that the people of that island do not even know what India is.

After several unsuccessful attempts to reach friendly contact, the Indian government finally stepped aside and banned all visits to the island.

The Indian Navy imposed a 3-mile protection zone to keep tourists, explorers and others busy at a distance.

Accidental encounters still occur and none of them ends well.

There are several horror stories of how Sentinelians have treated ‘guests’: most people return from the island terrified and injured when they return.

In 1896, a fugitive from the British Andamans prisons, drifted at sea and ended up by accident on the island’s shores.

A few days later, a search party found the body on a beach, pierced by arrows and with a cut throat.

In 1974, a group went there to make a documentary and the film’s director was wounded by an arrow in the leg.

Contact attempts

Indian anthropologist T.N. Pandit made several government-sponsored trips to the Northern Sentinel in the late 1980s and early 1990s.

“Sometimes, they turn their backs on us and sit on their hips like they are going to defecate,” he said.

“This is a symbol of insult to them, as we were not welcome.” Surprisingly, there was only one case where an outsider did not face an aggressive reception.

On January 4, 1991, a group of 28 people, composed of men, women and children, approached Pandit and his entourage.

“It was unbelievable how they volunteered for our meeting,” he said.

“They must have decided that it was time to get in touch with other people, or they were studying us”.

In 1991, Indian anthropologist Madhumala Chattopadhyay managed to establish a brief contact after several incursions to the island, but the project was eventually suspended to protect the tribe.

After these attempts, the local population closed again and, since then, never allowed any approach of “outsiders”.

Unfortunately, the last contact with the inhabitants of the island, in 2006, was not as good as expected.

Two fishermen were killed while fishing illegally within the island’s protection strip.

Sentinelans are among the last communities that live without contact with globalization.

Perhaps it is better to leave them as they are, as bringing them into civilization can be extremely negative.

After all, they may not be immune to various diseases that exist today and it can be extremely complicated to adapt to the modern world.

Original post: https://ncultura.pt/o-lugar-mais-hostil-do-mundo-a-ilha-sentinela-do-norte/

Rare historical photographs

The man who denied giving the Nazi salute, 1936
Nikola Tesla in his laboratory
Tombs of a Catholic woman and her Protestant husband separated by a wall, The Netherlands, 1888
Austrian boy in pure happiness receiving new shoes during World War II
Race organizers try to stop Kathrine Switzer from competing in the Boston marathon. She was the first woman to finish the race in 1967
Seal intact at Tutankhamun’s tomb, 1922 (3245 years untouched)
Painting the Eiffel Tower, 1932
First morning after Sweden changed driving from left to right, 1967
Animals used as part of medical therapy, 1956
The kiss of life to the colleague after he touched the high voltage cable, 1967
Annette Kellerman promotes the right of women to wear a one-piece swimsuit, 1907. She was arrested for indecency.
Cave in an iceberg photographed during the British Antarctic expedition, 1911
106-year-old Armenian woman, protector of the home, 1990
Albert Einstein, Summer 1939, Long Island, NY
Brooklyn Bridge painter, 1914
The last known photo of the Titanic on the water, 1912
Disneyland employees cafeteria in 1961
Huge crowds gather at Woodstock Rock Festival, 1969
Women delivering ice, 1918
Hannah Stilley born in 1746, photographed in 1840
The Beatles play for 18 people at the Club de Aldershot, 1961. Superstars a year and a half later.
The first tube at Edgware Road station, London, 1862
Customers of a music store in London, 1955
Woman with gas-resistant stroller, England, 1938
Elvis in the Army, 1958
Cages used for babies to ensure that they received sunlight and fresh air in an apartment building, 1937
Measurement of swimsuits, to see if they were too short, if applicable, women would receive a fine, 1920
Salvador Dali kisses Raquel Welch’s hand after finishing his famous portrait, 1965
Girl with doll sitting in front of her bombed house, London, 1940
French resistance member George Ciegos, smiling at the German firing squad, 1944
“Daddy’s waiting for me” by Claude P. Dettloff in New Westminster, Canada, 1940
Sailor kissing a nurse in Times Square, August 1945
Audrey Hepburn shopping with a deer as a mascot, Beverly Hills, CA, 1958
Three men run the marathon at the first modern Olympic Games, 1896
Sale of the afternoon newspaper with the news of the sinking of the Titanic the night before, April 16, 1912
“4 children for sale inquire within”, 1948
Norway receives its first shipment of bananas, 1905

Based on the amazing PowerPoint: https://slideplayer.com.br/slide/8959365/

Pirelióforo: em 1904 um padre português maravilhou a América com a energia solar

Na exposição mundial de São Luís, nos Estados Unidos, o padre Himalaia, um dos maiores inventores portugueses, deslumbrou os americanos com a energia solar.


 Padre Himalaya

O ambiente cultural e científico em Portugal nos primeiros anos do nosso século não era brilhante. A cultura científica e técnica estavam perto da estagnação. As instituições que a elas se dedicavam eram escassas. As publicações nesta área eram também poucas e de qualidade vária. Uma das publicações de maior longevidade era o Boletim de Obras Públicas e Minas órgão da Associação dos Engenheiros civis (que também congregava os engenheiros militares) e que tem hoje continuidade na Ordem dos Engenheiros. Uma análise, ainda que breve, do Boletim de Obras Públicas e Minas da primeira década do nosso século dá-nos conta da quase inexistência de inovações científicas e técnicas produzidas por portugueses.
É certo que são divulgadas as estrangeiras. Mas a discussão ao nível interno, está ainda centrada na questão dos transportes, sobretudo dos Caminhos de Ferro. Neste panorama um pouco desolador avulta a figura de um homem que se interessou pelos mais variados campos da ciência e da técnica, tendo feito e patenteado inventos e produzido, ainda, reflexões no campo da economia e da política sociais. Referimo-nos ao Padre Manuel António Gomes, “Himalaia”, por apodo que incorporou no nome.


Pirelióforo

Manuel António Gomes nasceu em Cendufe, concelho de Arcos de Valdevez, um dos sete filhos de uma família de lavradores pobres do Minho. Terminou em 1880, com 11 anos de idade, os estudos elementares na escola primária do Souto, uma aldeia próxima da sua terra natal onde ao tempo vivia com os avós. Depois de uma interrupção nos estudos, período durante o qual trabalhou na lavoura familiar, ingressou em 1882, com 15 anos de idade, no Seminário de Braga, ficando integrado no Colégio do Espírito Santo, um instituto criado para acolher estudantes pobres. Tal como o seu irmão Gaspar, que também seria sacerdote, a família tinha-o destinado à vida clerical, ao tempo o destino dos jovens rurais que no ensino primário se revelavam bons alunos, mas cujas famílias não podiam suportar os custos do ensino liceal e superior.
As suas origens rurais, com forte ligação à agricultura e às crenças e tradições populares minhotas, influenciaram de forma marcada o seu pensamento: manteve ao longo de toda a sua vida um grande interesse pelas culturas agrícolas, em especial nas questões relativas à fertilização dos solos e da produção de adubos e da escolha de plantas e cultivares a empregar em função do solo e do clima. Outra vertente que o influenciaria profundamente foi o pendor para o curandeirismo e para a medicina popular, matéria a que dedicaria grande atenção. A estes interesses associava uma apaixonada curiosidade pelas ciências naturais, pelo contacto com a terra e pela observação empírica dos fenómenos.
A sua elevada estatura levou a que os colegas de seminário lhe dessem a alcunha de Himalaia, que adoptou informalmente, passando a utilizá-la como se fora parte do seu nome. Por essa razão, Manuel António Gomes passaria à posteridade como o «Padre Himalaia», o «Padre Himalaya» na grafia da época.
 
O Pyrheliophoro do Padre Himalaia
Entre os pioneiros do aproveitamento da energia do Sol e suas aplicações com finalidades úteis é justíssimo enaltecer a figura e a obra do Padre Himalaia. Nascido em Arcos de Valdevez (Cendufe) em 1868 e falecido em Viana do Castelo em 1933, consagrou grande parte da sua vida ao estudo de variadíssimas técnicas capazes de incrementar com menores custos a actividade económica, sobretudo a agricultura. Incansável homem de ciência, sem descurar a actividade pastoral, o Padre Himalaia fez registar inúmeras patentes de invenções suas, que abarcam de um explosivo de tipo novo para fins pacíficos, a “Himalaíte”, que chegou a comercializar, passando por motores ou aperfeiçoamentos para motores, até à sua mais conhecida invenção, o Pyrhéliophoro. Este invento, que é afinal um forno solar capaz de atingir elevadíssimas temperaturas conheceu quatro fases, cuja cronologia e evolução vamos tentar estabelecer.


Pirelióforo

De facto, entre 1899 e 1904 Himalaia terá construído e experimentado quatro diferentes versões do seu aparelho. Os poucos biógrafos que se têm ocupado da actividade do Padre Manuel António Gomes não estão de acordo no que respeita às datas e aos locais em que teriam funcionado os dois primeiros projectos. António Lopes Araújo indica o ano de 1900 para as duas primeiras experimentações respectivamente em Argeles (nos Pirenéus) e em Paris já um outro autor pretende que o aparelho terá sido inicialmente experimentado na capital gaulesa e a segunda versão terá funcionado nos Pirenéus. Avelino de Jesus da Costa indica que o primeiro aparelho terá de facto funcionado em Paris mas em 1899 e que no ano seguinte terá tido lugar a experiência nos Pirenéus Orientais. Também quanto aos resultados das experiências não há unanimidade. Alguns autores consideram que teriam sido insatisfatórios os resultados alcançados tanto nos Pirenéus quanto em Paris. Avelino J. da Costa aponta no entanto, que na primeira experiência o Padre Himalaia teria conseguido uma temperatura de cerca de 500° C, e logo com o protótipo seguinte, nos Pirenéus a temperatura obtida pelo forno solar rondou os 1100° C, o que está longe de ser um fracasso…
Onde todos os autores coincidem é no que respeita às duas fases seguintes do Pirelióforo. Parece ser ponto assente que o terceiro modelo, já diverso dos anteriores, foi construído em Lisboa em 1902 e montado no Parque de Exposições da Tapada da Ajuda onde funcionou algum tempo. Ali terá acorrido grande parte da sociedade científica lisboeta, muitos professores e, até, o rei D. Carlos assistiu a uma demonstração. Com este aparelho o Padre Himalaia obteve 2000° C. de temperatura, tendo fundido blocos de basalto, rocha que, como é sabido, é de difícil fusão. A última versão destinou-se a ser montada e exibida no Pavilhão Português na Exposição Universal de St. Louis (E.U.A.) de 1904. Este derradeiro modelo do Pirelióforo, nome que de resto, parece só então ter sido adoptado, foi premiado na citada Exposição Universal com o “Grand Prize”, duas medalhas de ouro e uma de prata. O invento foi saudado pela comunidade científica e atraiu os elogios de toda a imprensa mundial, com particular ênfase da americana. Mesmo o circunspecto New York Times lhe dedicou uma primeira página que incluía uma entrevista ao cientista português. A versão final do Pirelióforo era capaz de produzir uma temperatura de 3800° C. o que permitia efectuar a fusão de quaisquer rochas ou metais, já que nenhuma substância destes tipos necessita de uma temperatura superior para ser fundida


Pirelióforo

Este aparelho compreende essencialmente um sistema óptico que faz convergir os raios solares num ponto único onde está colocado o cadinho; compreende além disso um mecanismo tendo por função orientar o aparelho numa posição conveniente segundo a altura do sol no horizonte e segundo a época do ano, de maneira a manter sempre a convergência dos raios no ponto em que se encontra o cadinho e ainda um sistema de cadinho ou forno preparado para a mudança automática dos materiais a fundir, permitindo fazer a fusão no vácuo ou num meio inerte ou diferente do meio atmosférico.
Temos, pois, que o Pirelióforo era inicialmente um gigantesco forno destinado a fusão, capaz de obter altas temperaturas sem dispêndio de energia, isto é, usando exclusivamente a energia fornecida pelo Sol. O aparelho, como fica descrito, compunha-se de três partes distintas: uma calote de material cristalino destinado a receber e concentrar os raios solares, o forno propriamente dito e um complicado mecanismo de relojoaria que permitia ajustar todo o aparelho ao movimento aparente do Sol durante todo o dia, bem como a posição do forno em relação aos reflectores.


Pirelióforo

O modelo de St. Louis incluía uma parábola de 80m2 composta de 6 177 espelhos reflectores que convergiam para o cadinho. A armação metálica que sustentava o aparelho media 13 metros de altura. Talvez esta envergadura gigantesca tenha contribuído para que o invento português tenha sido dos mais apreciados e dos que chamou maior número de visitantes na Exposição Universal. Findo o certame o Pirelióforo foi desmontado, encaixotado e depositado num armazém. O padre Himalaia demorou-se nos Estados Unidos por dois anos, estudando com físicos e matemáticos de nomeada e proferindo lições e conferências nos mais variados estabelecimentos científicos americanos.


Pirelióforo

Quando na hora de regresso quis reaver o seu invento verificou-se que tinha sido roubado, não obstante o peso e as dimensões que apresentava. Já desanimado pela funesta ocorrência, já porque o seu espírito se ocupava agora de novos inventos, nunca mais o Padre Himalaia se ocupou da energia solar nem do Pirelióforo.
Logo durante a exposição o Padre Himalaia teve várias ofertas de compra do engenho, incluindo uma do Japão que pagava 350 contos pelo invento. Parece que por razões de brio patriótico o sábio português recusou a venda do aparelho solar, bem como recusou a naturalização como cidadão americano que lhe tinha proposto o Governo da União.
 
A máquina que fazia chover
No Verão de 1913 uma seca enorme afligia o país, sendo o Alentejo a região mais afectada. O padre Himalaya apresenta, em Julho desse ano, uma comunicação sobre o processo de fazer chover, baseando-se numa acção conjugada vertical e horizontal sobre um prisma de ar provocado pelo tiro sincronizado de vários canhões. O aparelho que criou para o efeito era um múltiplo canhão, orientável, que assentava num polígono especial e permitia o disparo em simultâneo de explosivos que criavam um embate vertical e horizontal entre as nuvens, provocando a chuva. Foram feitas experiências na zona da Serra da Estrela sobre as quais testemunhos credíveis afirmam terem caído umas gotas de chuva nesses dias quentes de Verão!
Sobre as experiências foi declarado oficiosamente que os resultados, embora concludentes, impunham muitos gastos em explosivos. O método foi por isso abandonado devido ao seu elevado custo.
Destas experiências, sobre o uso de canhões especiais para fazer chuva artificial, nasceu uma história rocambolesca, muito difundida logo após a Grande Guerra de 1914-1918. É mais um enigma sobre a vida e obra de M.A.G. Himalaya. Circularam boatos que diziam que o canhão, falsamente chamado de “Grosse Bertha” ou “Wilhelm Geschutz”, teria sido realizado pelos alemães a partir dos planos roubados ao Padre Himalaya.

Autor/Author:
https://www.vortexmag.net/pirelioforo-em-1904-um-padre-portugues-maravilhou-a-america-com-a-energia-solar/

As Minas do Rei Salomão – Mito ou verdade?

AS MINAS DO REI SALOMÃO: MITO OU VERDADE?

por Rejane Borges

Foi um homem, sobretudo, sábio – de acordo com as Escrituras. Seus ensinamentos são conhecidos até hoje, registrados no livro de Provérbios. Mas não foi somente por seus provérbios que Salomão se tornou alvo de curiosidade. Foi também por causa de uma lenda, uma crença que aponta a existência de minas, de onde saíram as maiores riquezas que o homem já viu, de acordo com a bíblia.

Idealização do Templo de Jerusalém.

Quem nunca ouviu falar das “Minas do Rei Salomão”? Mas quem foi Salomão? Ainda de acordo com as Escrituras, Salomão, filho do Rei Davi, foi o terceiro Rei de Israel. E foi o homem mais rico que já habitou a Terra. E por pedir a Deus sabedoria é que foi abençoado, já que não existia bem nem ambição mais preciosa, segundo a tradição judaico-cristã.

A sabedoria de Salomão pode ser verificada em todo o seu reinado, desde os competentes serviços ao seu povo, até às estratégias de guerra, formando o maior e mais poderoso exército do qual se tem notícia. No entanto, Salomão jamais governou sob a guerra. Pelo contrário, sua diplomacia manteve acordos de paz e boas relações comerciais com outros reinos. Seu nome – em hebraico, Shalom – significa paz.

Sua habilidade como líder e estadista o levou a dividir seu império em pequenos territórios a fim de obter uma administração centrada nos problemas locais de cada região. Ergueu construções em províncias remotas e construiu estradas, facilitando o deslocamento dos viajantes. Fez de seu império uma verdadeira potência.
Foi também Salomão quem levou avante a construção do famoso Templo de Jerusalém, para cumprir a promessa de seu pai, Davi, de construir um local de adoração a Deus. O templo foi a mais magnificente casa já edificada, para o Senhor de Israel, até hoje. Os mais caros materiais eram encomendados por Salomão: a madeira, os metais, o ouro. Ainda de acordo com as Escrituras, Deus prometeu paz e tranquilidade ao povo durante os dias de seu reinado, para que edificasse este Templo.

A sua riqueza, no entanto, sempre foi alvo de curiosidade. De onde foi retirado seu tesouro? Todas as lendas que rondam o tema ganharam destaque em 1885 com a publicação do best-seller “As Minas de Salomão” – do escritor inglês Henry Rider Haggard. Além de ter sido iniciado o gênero “mundo perdido”, o livro chamou a atenção para um dos maiores enigmas de todos os tempos. Claro que a estória fez sucesso numa época em que o mundo ainda estava descobrindo elos perdidos, como antigas cidades e civilizações. Época em que a arqueologia estava entre as principais chamadas das capas de jornais e era assunto primordial dos intelectuais da ciência.


Salomão, filho de David em seu trono, por Ingobertus (imagem esquerda).Templo de Salomão, Fachada principal (imagem direita).

Mas, muito antes do livro de Haggard, o assunto já corria sob várias teorias veiculadas em publicações e ensaios científicos. Pesquisadores da Universidade da Califórnia, em San Diego, relatam que toda a exploração de minérios na região da Jordânia começou ainda nos tempos do Velho Testamento. Assim como artefatos encontrados em sítios arqueológicos africanos indicam que fossos em busca de ouro e metais surgiram ainda no período dos reinados de Davi e Salomão. Ou seja, segundo os especialistas, as datas estão de acordo com a cronologia bíblica. Mas, então, seriam essas as minas de onde vinham os tesouros de Salomão? Nem a ciência, nem a religião explicam.

Em contrapartida, há teorias que defendem que as minas jamais existiram e que Salomão jamais ergueu faustosas construções com sua riqueza. Mas sim que sua fortuna, na narrativa bíblica, é apenas uma parábola relacionada com sua sabedoria. De acordo com a crença judaico-cristã, a fortuna do homem reside na sabedoria.

A história conta que Salomão comandou uma das maiores e mais valiosas rotas de comércio que já existiu. Se foi o mais rico, o mais sábio, ou se as minas existiram, não há provas. Há apenas provas de que a história do Homem é bifurcada por muitos mistérios. São milhares de horas que passearam por milhares de estradas, por onde se perderam milhares de elos, resultando em milhares de enigmas. Um deles ainda corre, sob o título de “Minas do Rei Salomão”.